Meu nome é Paulo, Azul, Auroro

“Isso não tem importância, não”. A pergunta era onde ele tinha nascido, mas ele me corta logo. Paulo – nome da certidão – não gosta de falar muito de si, não vai se entregando assim, na primeira conversa. Pergunto, então, o que tem importância pra ele. “A arte. Só a arte.”

Esse senhor de cabelos brancos é uma figura emblemática de Brasília. Desde que me entendo por gente, Paulo percorre a noite vendendo seus quadros nos bares da cidade. É uma presença marcante e discreta ao mesmo tempo. Nunca aborda um cliente, jamais pede qualquer coisa ou faz propaganda do seu trabalho. A barulheira do bar é interrompida suavemente por esse artista que entra e sai em silêncio. Em pé, no meio das mesas, mostra suas telas, uma a uma. E vai embora.

Aos 76 anos, Paulo resolveu mudar tudo. De nome, de assinatura, de estilo. Antes, sua personalidade artística se chamava Azul e a assinatura era um risco curto, na horizontal. Agora, o artista se chama Auroro e o risco se transformou na letra A. Por que Auroro, pergunto. “Eu auroro, tu auroras, ele aurora, nós auroramos”, responde.

A conversa vai se estendendo e ele – já não sei mais se converso com Paulo ou Auroro – se mostra um pouco. Conta que, desde criança, foi vendedor de rua. Vendia serpentina de carnaval, patinete e outras coisas mais. “Hoje sou vendedor de rua profissionalmente.”

O neto de oito anos, diz, é um artista nato. Faz de 10 a 20 desenhos por dia e, desde os dois anos, pinta todas as paredes da casa do avô. “Às vezes me inspiro nos desenhos dele. Ele é artista, já é. Mas acredito que não seja por influência. O espírito que anima um ser artista aproveita para aparecer onde há condições dele se desenvolver.”

Converso com aquele homem intrigada com o fato de esta ser a primeira vez que escuto algo pessoal sobre ele. Em primeiro lugar, por culpa da minha incapacidade – nunca havia  feito uma pergunta pessoal a ele. É impressionante alguém ter tantos significados para tantas pessoas e ser uma incógnita pra quase todo mundo. Quem é essa pessoa que representa um pouco de Brasília, dos meus amigos, dos lugares que frequentei?

Talvez ele tenha razão e isso não tenha importância. O que importa é a gente ter sorte de cruzar com ele, porque o lugar e a hora são também um mistério. “Não tenho compromisso com bar nenhum, com pessoa nenhuma. Não aceito encomenda, não aceito amanhã. Comigo é tudo agora.”

Bora?
Auroro está sempre por aí, uma hora você esbarra nele.
Suas telas custam, em média, R$ 30. Só aceita dinheiro.

11 respostas em “Meu nome é Paulo, Azul, Auroro

  1. que ótimo descobrir figuras como essa no blog! eu não conhecia o Paulo, não conheço o Auroro, mas espero encontrar com ele ou com seu subsequente em breve, pelas ruas da cidade. belo texto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s