Teatro para corações fortes

“Ultra-romântico”, a peça do grupo Liquidificador que está em cartaz no subsolo do Conic, não é para principiantes.

Baseado no livro “Noite na taverna”, de Álvares de Azevedo, a peça propõe uma releitura moderna, punk e revolucionária daqueles valores intensos todos que a gente se lembra vagamente de ter aprendido quando estudava a segunda fase do Romantismo, lá nos idos do segundo grau. A escola de morrer cedo, lembra?, também chamada de ultra-romântica. Vem daí o nome da peça.

Viver o momento, a paixão, a intensidade romântica que flerta sempre com o limite da morte, com o proibido – tudo isso temperado pelo hedonismo das longas e lascivas noites passadas nas tavernas. Só que o ultra-romantismo brasiliense é ultra-contemporâneo, ambientado em uma noitada underground com punks, música eletrônica, drogas, bebidas baratas e uma proximidade quase real da marginalidade urbana.

Esta fronteira, aliás – o que é teatro?, o que é real? – foi para mim uma das muitas experiências bem-sucedidas da peça. É você que entra em cena, e não os atores – e eles estão sempre muito perto, transformando você de público em testemunha, em quase cúmplice. A tal ponto que, depois da encenação dos sábados, a peça se transforma em festa e de repente estamos todos curtindo juntos – e nada parece mais natural.

Porque é bem fácil sentir-se num inferninho de verdade estando numa peça-festa no Conic, com baratas (bem reais) que esbarram nos pés dos atores, a música, as luzes, o ritmo de muitas das nossas baladas contemporâneas. Tempere-se tudo isso com um pouco de marginalidade, crack e os amores letais que costumam surgir desta mistura e, quem diria?, a escola de morrer cedo fica tão contemporânea.

Com música e vídeo produzidos no calor das emoções, além de um elenco talentoso e completamente entregue ao enredo, a peça testa muitos outros limites: o antigo e o moderno, o cool e o brega, o amor e o ódio, a vida e a morte, o medo e a sedução, a fronteira entre os gêneros.

Almas sensíveis, abster-se. Para todos os outros, é a oportunidade de ver teatro de verdade, forte, underground e desavergonhadamente brasiliense.

Bora?
Já fui e, se bobear, vou de novo.
Sextas, sábados e domingos até 4 de novembro de 2012
Subsolo do Conic (entrada pelos fundos, ao lado das lojas de doces)
Sextas e sábados, às 21h, e domingo, às 20h
R$ 20, 00 (inteira)/ R$ 10,00 (meia)
O site da peça é por aqui.

9 respostas em “Teatro para corações fortes

  1. Achei tudo mto interessante mas, o perigo existe para alguns q possam se viciar em drogas.
    E isso n será nada romantico, nem hoje nem seria no passado.
    É verdade q no passado mtos morriam tuberculosos. Não existia penicilina.
    Hoje, me parece, n existe remedio para currar drogado.
    Mas, q todos se divirtam e cada um aceite sua sina.

  2. Anelisa, a peça não prega – e muito, mas muito menos eu – nada a ver com o consumo de drogas. Aliás isso nem aparece explicitamente na peça. Estou extrapolando aqui pra tudo que o enredo faz passar pela nossa cabeça quando retrata os excessos da noite, as fronteiras tênues entre uma bebedeira e um algo mais. Nos vemos todos no limite de algo, mesmo que estejamos no conforto das nossas vidinhas quase sempre bem medianas. Por isso achei a experiência super forte. 😉 mas falo muito sério quando digo que nem todo mundo vai gostar.

  3. Pingback: Uma volta no bairro ou um findi cabeça? | quadrado

  4. Pingback: Talvez eu seja o último ultra-romântico | quadrado

  5. Pingback: Pra que serve uma companhia de teatro? | quadrado

  6. Pingback: Todo mundo vivo? | quadrado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s