A praça é do povo

foto-4

Quantas vezes você já visitou a Praça dos Três Poderes? Quantas delas, ainda cheio de sono, já serviu de guia turístico para algum tio distante? Chegou lá, citou (errado) o nome de duas ou três esculturas, comprou um picolé e ficou rezando pro povo terminar logo de fotografar a bandeira, com um certo nojinho dos pombos dando rasantes na sua cabeça…

Se esse perfil de brasiliense preguiçoso não se aplica a você, parabéns. Porque eu preciso confessar que se aplicava a mim. Até ontem – quando, convidada a conhecer o novo passeio educativo-cultural promovido pela turma da Trilha dos Azulejos, fiquei boquiaberta de me ver turista na minha própria cidade.

A começar pela descoberta de que o prédio-monumento que abriga o busto de JK não é apenas um prédio-monumento. É o Museu Histórico da Cidade, que guarda textos lindos sobre a construção da cidade, a intenção, a visão, a vivência de vários dos grandes brasileiros que participaram desta aventura. Nunca tinha subido aquelas escadinhas apertadas. Nunca tinha visto. E não pude disfarçar a voz embargada ao ler certos trechos dos textos junto com meu filho.

Você sabe quais são os herois nacionais homenageados pelo Panteão? Sabia que, segundo o idealizador Lúcio Costa, o desenho da Praça imita uma palma da mão aberta, como se a Esplanada fosse um braço estendido, oferecendo os Três Poderes ao povo? Conhece os detalhes do projeto que deu origem à Brasília – e, melhor, já buscou saber quais foram os outros projetos que disputaram com o Plano Piloto do Lúcio Costa no concurso que escolheu as formas da nova capital? Já imaginou como poderíamos ter sido, se não fossemos um avião?

Eu só visualizei a verdadeira dimensão que a Praça dos Três Poderes carrega em si porque ontem, pela primeira vez, visitei a praça conduzida por essa lindeza de projeto que é o Visite a Praça. Idealizado pelas meninas da Tríade para estudantes da segunda fase do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, o programa fala uma língua sedutora e acessível a todos os públicos: a língua da alegria.

O grupo de teatro Companhia Colapso criou um texto incrível pontuado por canções muito bacanas para contar a história da construção de Brasília, da Praça e convocar a todos – estudantes, transeuntes, turistas – para esta ocupação absolutamente necessária do espaço público mais importante da cidade.

O projeto nasce junto com outro que parece ser ainda mais audacioso – se é que isso é possível: o Visite o Catetinho. Mas essa ação eu ainda não conheço pessoalmente – é uma relação platônica, por enquanto. Prometo voltar ao tema assim que me reapaixonar, pela milésima vez, pelo trabalho de valorização cultural e cidadã que essas meninas realizam.

Bora?
O Visite a Praça é um projeto de educação patrimonial, e já está sendo oferecido para escolas públicas do Distrito Federal. Escolas particulares podem entrar em contato por email.

E se você não for estudante nem educador mas um curioso como eu, e quiser dar uma incerta para acompanhar essa lindeza de trabalho, o Visite a Praça acontece toda terça-feira até o fim do ano letivo (com intervalo nas férias de julho), às 9h e às 14h30.

4 respostas em “A praça é do povo

  1. Bacana Carol! Já conhecia mais a fundo a praça pq cheguei turista na cidade, e assim fui por bastante tempo, enquanto voltava (muitas) vezes à praça para levar os amigos que vieram me visitar. É emocionante sim, até para a paulistana aqui. O Catetinho eu amo, mas ainda não conheço a proposta da Tríade… Acho que vou aproveitar essas férias de primavera para fazer. Bjs, Flavia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s