É isso o que chamam de vanguarda

 

Plano B trouxe, pra mim, o maior presente do Festival de Cinema deste ano – independente de qual será o resultado de logo mais.

Sem o filme de Getsemane Silva, eu nunca teria conhecido este outro documentário de 1967, “Contradições de uma cidade nova”, que me leva pra dentro das fotos da minha infância, me entristece pelos mais de quarenta anos que se passaram sem mudança de perspectiva no nosso abismo social – e me impressiona em muitos outros sentidos.

Pela beleza das imagens, pelo rigor na apuração, pelo ritmo narrativo, pelo texto que foge do piegas e, principalmente, pela profundidade do posicionamento do documentarista diante dos dilemas da cidade recém-nascida, “Contradições…” parece que foi rodado ontem.

Não: descortinando uma cidade impressionantemente deserta, ele parece mesmo rodado há mais de quarenta anos – mas pelo olho de um visionário, de alguém muitos anos à frente do seu tempo.

Dá o play aqui, vai. E deixa a última frase dessa grande novidade de 1967 remoer no seu coração de brasiliense dia e noite – até a gente virar esse mundo em festa, trabalho e pão.

4 respostas em “É isso o que chamam de vanguarda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s