Bom findi!

feira

Dois beijinhos em vocês antes que o findi comece:

1. Amanhã tem A Última Grande Feira da Seca no Cobogó. Não sei pra que eles lembraram disso. Concordo: o gramado está esturricado, nossas plantas e nossos animais estão sofrendo com as queimadas e pensando nisso eu já nem consigo admirar tranquila esse sol laranja do alvorecer. Mas é que eu não quero nem pensar que essa vibe piqueniques-feirinhas de final de semana vai naturalmente escassear quando a chuva chegar… Enquanto ela não vem, Cobogó amanhã, com Zé Maria nas pickups, Fernanda Ferrugem, Thelma Aviani, Camiseteria & grande elenco. E tem Melancia no Objeto também, só pra lembrar.

2. Foi a Denise que ganhou o combo caderneta + bolsinha Sr Mor do post de terça-feira. Parabéns!

Bora pro findi e até segunda que, embora ninguém tenha perguntado, é o dia do aniversário dos gêmeos mais lindos do planeta (os meus, claro). 😉

Bora?
A Última Grande Feira da Seca
Sábado, 30/08
Das 10h às 20h
No Cobogó Mercado de Objetos
SCRN 704/705 bloco E lojas 51-56

Quero muita Melancia mesmo

 queromelancia2

Prepare o seu coração pra conhecer esses dois. Thaís Madureira e Gustavo Halfeld, dois jovens brasilienses que encarnam em vários sentidos tudo o que a gente admira.

Eles se conheceram entre as prateleiras de livros do curso de Biblioteconomia. Ele, músico de uma banda de rock. Ela, apaixonada desde sempre por panos, linhas, cortes e costuras.

Os dois se inspiram um ao outro e acreditam nos seus sonhos. Das roupinhas que ela fazia pros dois, veio a ideia: fazer disso um negócio. Assim nasceu a Quero Melancia.

Que não é só uma marca de roupas. É uma verdadeira ode ao feito à mão. São eles que desenham, modelam, cortam, costuram e – veja só – estampam as próprias peças. Pintura em tecido e carimbos gráficos que a gente não pode de tão lindos.

Tempere tudo isso com um charme inacreditável. Tudo o que eles fazem é puro bom gosto. Das roupas à marca, das fotos ambientadas na seca do cerrado (pare o que está fazendo – veja essas fotos) à maravilhosa festa que eles cuidadosamente prepararam para o grande lançamento.

Sábado agora, no Objeto Encontrado, vai ter pocket show, som delícia no vinil, cerveja artesanal, drinks de melancia, barraquinhas. E todas essas roupas lindas, que custam entre R$ 35 e R$ 120.

Eu sei, eu sei: parece enredo de filme alternativo, daqueles que levariam a escolha do público no festival de Sundance. Mas não é filme, não. Eles são essa lindeza toda, eles são de verdade mesmo, e vão te vestir a partir do próximo sábado.

Bora?
Quero Melancia de Estreia
Sábado, 30 de agosto, das 14h às 22h
Objeto Encontrado
CLN 102 Bloco B

A minha Brasília dentro da bolsa

foto (7)

Quando a Sr Mor me convidou pra traduzir Brasília em desenhos que estampariam produtos com a cara da cidade, claro que a primeira coisa que me passou pela cabeça foram as formas esculturais da Catedral, do Congresso, os azulejos do Athos. Fiquei um tempo ali brincando com essas ideias – até que parei, pensei e me disse: não, não é isso.

Eu amo a arquitetura esculturalmente modernista da nossa cidade, mas Brasília pra mim não é isso. Não é só isso. Essa é a Brasília que aparece em todos os pequenos souvenires que vemos em todas as lojinhas que se dedicam ao tema, mas não é a minha.

A minha Brasília é essa que a gente vê aqui no blog. São as áreas verdes, são os gramadões. É a seca com seu céu esplendoroso, é levar a criançada no parquinho, é fazer piquenique, é andar de bike, são as bem-vindas iniciativas de hortas nos jardins das quadras.

Transformei tudo isso em desenhos divertidos que agora viraram cadernetas e bolsas coloridas, dessas que viram uma bolinha e cabem em qualquer canto, prontas pra te ajudar a carregar uma comprinha fora de hora. O resultado final me deixou super feliz: são presentes bem legais para quem quer levar um pouco de Brasília para amigos de fora, ou carregar um pouco da cidade na memória.

As lindezas estão à venda na Sr Mor, a loja argentina mais brasiliense que eu conheço. E, claro, tem presente pra vocês: comentem aqui embaixo que eu vou sortear um caderninho e uma bolsinha.

Bora?
Sr Mor
CLS 407 Bloco C
Aberto de segunda a sexta das 10h às 19h, aos sábados de 10h às 14h30.

Pra começar a semana flutuando

float

 O maior elogio que recebi na vida foi de uma amiga que quis me entrevistar pra uma matéria sobre slow life. Eu tenho essa cara de passada mas não tenho nada de slow. Minha cabeça funciona no 220V, eu estou o tempo todo pensando em como otimizar meu tempo, almoço na frente do computador, falo no telefone enquanto dirijo, tenho a sensação de que nunca estou totalmente aqui e agora. E é com vergonha que admito tudo isso: eu sei que não é assim que se vive.

Quando o pessoal do Float Spa ofereceu pra gente experimentar uma sessão de flutuação, dois problemas se instalaram no horizonte: 1) em que parte da minha semana eu ia conseguir encaixar uma hora para não fazer nada?, 2) como eu conseguiria ficar uma hora sem fazer nada?

A filosofia do negócio é a seguinte: uma cápsula cheia de água super saturada de um sal chamado sulfato de magnésio, que faz com que a gente fique boiando com a maior facilidade. A cápsula pode ficar aberta ou fechada, tem uma luzinha agradável lá dentro e a sessão começa com um sonzinho de mar, bem relaxante. Mas depois o sonzinho para, porque o objetivo da coisa é esse mesmo: você ficar com você mesmo, flutuando, quietinha, silêncio total, pausa na vida. Eu, que funciono no 220V, sabia que precisava disso, mas achei que não ia dar conta.

Acontece que eu dei muita conta. Dei conta demais da conta. Eu quase que tive que ser expulsa do spa, porque eu apeguei demais com a cápsula, não queria sair de lá de jeito nenhum.

Cada experiência é uma, mas a minha foi de um relaxamento único e incrível, como poucas vezes eu senti na vida. Essas terapias alternativas são gostosas, né?, massagem, por exemplo, é uma parada super prazerosa – mas em termos de relaxamento eu nunca experimentei nada parecido. Num estado bem estranho de consciência, entre o sono e o despertar, eu não sentia muito bem meu corpo, meus membros, não conseguia saber exatamente em que posição meus braços estavam – e, de um jeito mais esquisito ainda, eu achava isso profundamente bom e queria só continuar ali, quietinha.

Pelo que contam meus amigos adeptos da meditação, é disso que se trata meditar, fazer ioga e todas essas práticas de saúde mental. Passar por essa experiência dentro de um spa foi, por um lado, uma quebra de preconceitos que eu nem sabia que tinha contra esse tipo de espaço, e, por outro, um atalho expresso pra um estado de relaxamento que vou certamente perseguir pro resto da minha vida. Aprender a meditar, algo que nem existia no meu radar, pulou pro topo da minha lista de prioridades.

Uma hora se passou e eu nem vi. E quando a sessão acabou, eu achei quase uma violência ter de sair dali. Dirigindo de volta pra correria de vida (buscar filhos na academia, voltar pra casa, fazer jantar) eu ainda sentia na minha pele uma vibraçãozinha estranha – que, parece, se chama vida.

PS: Nem acredito que escrevi essas coisas. A hippie do quadrado é a Dani, que fique bem claro.

Bora?
Flutuação no Float Spa
CA 07 Lote 08 Lago Norte (ao lado do Iguatemi Shopping)
3034-5044
A hora de flutuação custa R$ 129. 

Um sábado pra praticar o controle do fomo

foto (4)

O título ali em cima não está escrito errado. Não é fome, não – é fomo mesmo. Já ouviu falar nessa sigla? “Medo de perder alguma coisa”, “fear of missing out” em inglês. Somos digitalmente pautados por esse sentimento, que contamina nossa vida real e fala muito do fenômeno que observei da última vez que o Parque abrigou uma dobradinha de festas, no comecinho deste mês.

Tinha Salvagosto e tinha Suave, a poucos metros de distância uma da outra. As duas festas estavam ótimas – e justamente por isso, meus amigos estavam numa tensão: será que lá está melhor? Fomos em uma, fomos em outra, voltamos pra primeira – e eu já perdendo a paciência.

Pois prepare seu coração: este sábado tem duas festas incríveis a 500 metros de distância uma da outra, em outra tarde memorável no Parque da Cidade.

No Castelinho, nossa amada Mimosa, que traz a trilha sonora absolutamente alto astral do DJ Biondo embalando comidinhas do El Paso, Inácia Poulet, Merenda e Confeiteria. Perto do estacionamento 11, o Novo Guia de Brasília faz sua festa de lançamento, com direito a som de Criolina, Confronto e 5uinto, serigrafadas, camisetas e mil coisas lindas.

Não priemos cânico: dá pra ir nos dois. É pra ir nos dois. Mas é pra circular de boa, aproveitando de fato tudo o que há de bom nessa vida e nas tardes coloridas da seca, sem agonia. Combinado?

Bora?
Sábado, dia 23 de agosto, no Parque da Cidade

Mimosa Dia no Castelinho
Das 14h às 22h, no Castelinho do Parque
Próximo ao estacionamento 10 ou 11

Novo Guia de Brasília – a Festa
Das 15h às 22h
Perto do estacionamento 11

A praça é do povo – e a trilha sonora é o jazz

bourbonstreet

Essa lindeza eu quero ver: show de jazz internacional na Praça dos Três Poderes.

Bourbon Street Fest, um festival bacana que passou por São Paulo, Rio de Janeiro e está chegando aqui em Brasília amanhã, desembarca justamente naquele lugar místico – a grande praça desenhada por Oscar e Lúcio para ser o grande palco nacional.

A organização promete verdadeiras lendas do Jazz, como Germaine Bazzle e 504 Experience, que vão trazer jazz clássico e canções populares americanas. Tem ainda o blues de Walter Wolfman Washington & The Roadmasters, que transitam pelo R&B, soul, funk e jazz. Pros entendidos, vale dar uma conferida na programação completa.

Pra quem ainda engatinha no tema jazz, como eu, vai valer a educação musical e a lindeza de ver a Praça cumprindo sua missão: agregar gente, celebrar, ser palco.

Bora?
Bourbon Street Fest
Sexta e sábado, 22 e 23 de agosto
Na Praça dos Três Poderes
Sexta, a partir das 20h
Sábado, a partir das 18h
Shows gratuitos

Mais um findi do inverno mais lindo de todos

cinema

Hora de escrever o post sobre o final de semana e, sinceramente, bateu uma vontade de agradecer todo mundo. Agradecer pela vida, pelo céu azul da seca, o sol, a lua gigante, a sexta-feira e, principalmente, agradecer toda essa gente linda e vitaminada que simplesmente transformou essa cidade no lugar mais lindo e mais boa vibe do mundo.

Observem: não é mais uma questão de perguntar se tem alguma coisa legal no final de semana. Agora todo final de semana tem pencas de eventos lindos, legais, gratuitos, que ocupam o espaço público da cidade, que reúnem essa gente linda, feliz e do bem pra comer, beber e ficar de boa.

Há pouco mais de dois anos, quando começamos este blog e escrevemos este texto, nem do alto do nosso maior otimismo podíamos imaginar o atual cenário. Nossa cidade virou um piquenique gigante, cheia de eventos divertidos produzidos pelas pessoas mais criativas do mundo, que inventam caminhões de comidas, que reúnem artistas, que trazem música boa pros espaços mais bacanudos, que inventam feiras de trocas, feiras de delícias, feiras de vinis, feiras de tudo o que há de mais legal.

Gente, sério: vocês são demais. Essa cidade está totalmente demais. Até os gringos disseram isso – e, sabe?, é até legal receber elogio, mas pra mim isso não representou nem um décimo legal da alegria que é ver que a gente finalmente se encontrou e que a gente anda feliz de verdade com nossa cidade.

Hoje tem cinema ao ar livre na Asa Norte, pessoal. Uma iniciativa linda de uma galera que tentou realizar isso meses atrás na UnB. O evento teve tanta confirmação no facebook que a prefeitura da UnB acabou desistindo de abrigar nossa sessão pública de cinema – que agora ganha as ruas da cidade.

E amanhã tem PicNik, que talvez seja o grande precursor desse movimento todo. Imperdível como sempre.

Bora, gente boa?
Céu com cinema
Hoje, às 20h, exibição de Pulp Fiction, de Quentin Tarantino
Gramadão da 207 Norte

Picnik
Amanhã, a partir das 14h
Calçadão Norte, perto da Ponte do Bragueto