Viajar para se conectar

refugiados

Sabe aquele sonho bonito que você cultiva para uma vida paralela – quando você aposentar, ou os filhos crescerem ou você ganhar na mega-sena, ou, a bem dizer, nunca? A Talita pegou o dela e realizou. E sexta ela vem lançar o livro que nasceu dele aqui no Objeto Encontrado.

Ano passado, a Talita viajou pelo Oriente Médio para descobrir histórias de refugiados afetados pelo Estado Islâmico e pelos conflitos na Síria. Mas como ela mesma diz nesse vídeo que realizou para o crowdfunding, não espere encontrar tristeza e dramas: foi em busca de esperança que ela cruzou os sete mares.

E o resultado é um livro que me encheu de curiosidade – pela beleza, pelos desenhos, pelo otimismo, pela promessa de histórias diferentes desse nosso blablabla diário e por uma proposta ainda mais empolgante: além de trazer esse olhar generoso da Talita, “Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio” nos ensina a fazer como ela. Viajar em busca de conexão, não necessariamente de lugares.

Não podia deixar de ressaltar um detalhe: como vocês sabem, tem um lugar especial no meu coração para livros auto-publicados. Sempre acho que vale a pena.

O lançamento é esta sexta. Vamos viajar com ela?

Bora?
Lançamento do livro “Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio”
Sexta, 26/02, às 19h
No Objeto Encontrado
CLN 102, bloco B

Todo mundo vivo?

Ultra-Romântico (foto 3 de Tico Fonseca)

Agora que o ano começou de verdade, a humanidade se divide em duas: metade está inconformada com o fim do carnaval, querendo inventar qualquer desculpa pra dar a última sambadinha, metade virou a página e quer pensar em outra coisa.

Se você quer dar a última sambadinha, a boa notícia é a roda de samba Já Chegou Quem Faltava que acontece domingo de tarde no Círculo Operário do Cruzeiro.

Pra virar a página e pensar em outra coisa, te sugiro ComCiência, a exposição incrível do CCBB que mexe com nossa ternura e nossos medos do desconhecido.

Agora pra ficar exatamente no meio do caminho, te trago uma notícia bombástica: a peça Ultra-Romântico, que chacoalhou minhas estruturas na primeira edição, em 2012, volta este final de semana ao subsolo do Conic, e desta vez muito melhor.

Você se lembra: com esta peça, o Grupo Liquidificador embaralha as fronteiras entre a linguagem mais contemporânea e o texto arcaico de “Noite na taverna”, do ultra-romântico Álvares de Azevedo, do início do século passado. Mistura teatro com festa, programa cultural com balada – e imprime na gente, bem no meio do peito da gente, toda a intensidade de um teatro explícito e rasgado. Você entra e vira a peça. Não tem jeito de ficar indiferente.

Essa edição da peça promete ainda umas novidades bem novidentas: a peça agora tem um aplicativo que te permite baixar as músicas que aparecem em cena e um zine online que será divulgado em capítulos. Além disso, cada dia de espetáculo conta com a presença de um grupo da cidade – teatral, de música ou de performances – numa iniciativa linda de interagir e fortalecer a cena artística da cidade como um todo.

Ah! Precisa lembrar que tem festa depois? É uma peça que vira festa. E festa daquelas.

Tá vindo embalado do carnaval mas quer fazer algo bem diferentão amanhã de noite? Então a gente se encontra lá.

Bora?
Já Chegou Quem Faltava – roda de samba
Domingo, 16h
Círculo Operário do Cruzeiro

ComCiência
Até 4 de abril, de quarta a segunda, das 9h às 21h
CCBB
SCES, Trecho 02, lote 22
3108-7600

Ultra-Romântico
Peça, balada, aplicativo, show e amor
Amanhã (13/02), 27/02, 12/03 e 26/03
Teatro Dulcina de Moraes
SDS, Bloco C – Conic
$10 (meia) e $20 (inteira)

Gabarito da folia

carnaval.jpg

Chegou, né, gente? E chegou chegando, cheio de bloco novo, cheio de gente com vontade de ir pra rua, cheio de alegria e, bom, cheio de militância – porque carnaval em Brasília virou militância.

É o assunto de todos os blocos mais engajados da cidade: a reivindicação do direito de carnavalizar. Essa briga que já está ficando gasta contra essa Lei do Silêncio que insiste em calar a cidade virou marchinha de carnaval, virou tema do novo Bloco das Divinas Tetas, virou uma questão de honra.

Porque sabe folia? Música? Fantasia? Alegria? Confete? Serpentina? Vai ter. Desculpaê quem não é de folia mas, pelo menos pelos próximos dias, vocês vão ter que lidar com a ofegante epidemia.

Aqui embaixo tem uma seleção dos nossos blocos mais queridos de todos. Claro que tem muito mais que isso rolando, mas é que as opções cresceram tanto que corre o risco da galera começar a ficar confusa. Então a gente foi gente fina como sempre e fez a peneira.

Tem vários que você já conhece dos anos passados: Babydoll, Tesourinha, Aparelhinho. Mas quero destacar lindezas novas que estão chegando, começando pela lindeza do Bloco do Amor, que revolucionou o pré-carnaval brasiliense com festas inacreditáveis na Star Night, casa noturna de frequência nada familiar no Setor Comercial Sul, e que agora vai levar essa lindeza cênico-musical pra embelezar a rua que poeticamente batiza o bloco: a S2. S2, gente, é a rua do Bloco do Amor! Como pode ser mais poético e mais Brasília? Que lindo isso. ❤

Destaque também pro primeiro bloco lírico de Brasília, o Alvorada do Planalto. Depois do Galinho e do Suvaco, um resgate do carnaval pernambucano no que ele tem de mais emocionante: os blocos líricos que desfilam no Recife Antigo. Vai ter frevo antigo, vai ter um monte de coroa lindo do amor, vai ter fantasia caprichada, vai ter coral feminino como deve ser.

Outras novidades linda são o carnaval tropicalista do Divinas Tetas, que vai engrossar o caldo do Aparelhinho, e o Bloco do Rabisco, um bloco dos criativos e desenhistas que vai ocupar o Conic.

Bora pra rua, gente! Traga seu bom humor, sua educação, sua gentileza, sua alegria, sua animação. Seu respeito a quem quis ficar em casa, também. Alalaô não vai faltar.

Edição importante: os dois blocos e a festa de segunda-feira, como bem disse o Bernardo nos comentários, são no Setor Bancário Sul (SBS) e não no Setor Comercial, como eu tinha dito inicialmente.

Bora?
Sábado, 6 de fevereiro
Babydoll De Nylon – 14h na Praça do Cruzeiro
Berro das Perseguidas – 16h na Praça dos Prazeres (201 Norte)

Domingo, 7 de fevereiro
Bloco do Amor – 13h na S2
Tesourinha – 15h na 410 Norte (dentro da quadra residencial)
Carnaval do Confronto – 14h na Praça do Trabalhador (SCS)
Bloco Lírico Alvorada do Planalto – 17h no Clube de Vizinhança (108/9 Sul)
Forró de Vitrola – 22h no Cresspom

Segunda, 8 de fevereiro
Bloco Das Divinas Tetas – 15h no SBS
Aparelhinho – 15h no SBS
Móveis Axé 90 – 22h no Novo Calaf (SBS)

Terça, 9 de fevereiro
Bloco do Rabisco – 11h no Conic
Tesourinha – 15h na 410 Norte (dentro da quadra residencial)

Papo reto antes da folia

make

Já está todo mundo esquentando os tamborins – e a gente também. Mas antes vamos dar um papo reto.

Fevereiro, né?, e todo mundo já esqueceu as promessas de ano novo de um mês atrás. Então deixa eu te lembrar: pra muitos de nós a lista incluía cuidar mais do outro, fazer um trabalho voluntário, sair do seu umbigo e ser uma pessoa melhor.

Pois eis uma oportunidade de ouro: o projeto Inglês na Estrutural garante aulas de inglês gratuitas, ministradas por voluntários do Coletivo da Cidade para crianças e adolescentes que moram na Cidade Estrutural, ali na ponta do Eixo Monumental.

O Coletivo da Cidade trabalha com a infância e adolescência daquela região do Distrito Federal, oferecendo opções no contra turno escolar – arte e educação que podem ser meio de transformação social.

Não é complicado fazer parte: basta saber inglês em um nível bacana e ter as manhãs de sábado livres – além de algumas horas a mais por semana pra cuidar da preparação das aulas e das tarefas. Não precisa ser professor nem ter experiência prévia. Você não vai estar sozinho: são cinco professores que trabalham juntos, e a ideia é todo mundo se apoiar.

Aqui tem um documento que explica tudo direitinho e um vídeo que explica um pouco mais do projeto.

Bora?
Inglês na Estrutural busca voluntários

O que precisa:
– Comparecer ao treinamento pedagógico, dia 27/02;
– Dar 2 aulas de inglês por mês, aos sábados, das 9h às 12h (de 05/03 a 09/07)
– Participar de 2 reuniões pedagógicas (1 por bimestre), em horário e local a serem definidos, para que todos possam comparecer;
– Se responsabilizar pelo Projeto. Como a construção desse é feita de forma coletiva, a falta de comprometimento de um membro prejudica a todos!
– E, principalmente, amar seus aluno/as ❤